20 agosto 2016

Assisti em casa: Coração de Tinta – O Livro Mágico



Tem certo tempinho (diga-se grandão mesmo!) que não faço resenhas de filmes que andei assistindo por ai. No entanto, eu resolvi escolher um filminho para assistir no friozinho da manhã de um domingo e então colocá-lo aqui para que vejam, leiam e quem sabe possam se entreter para assistirem (para tudo! Nem eu estou entendo o que digo! Vamos logo ao filme).
Maggie trocaria facilmente sua vidinha chata pelas aventuras que costuma ler nos livros, pois parece que seus pedidos foram atendidos. Seu pai Mo, com quem mora sozinha depois do desaparecimento de sua mãe, esconde um estranho segredo – ele é capaz de trazer personagens dos livros à vida quando lê seus trechos em voz alta. Esta habilidade pode ter relação com a mãe de Maggie. Mas, antes que a menina descubra mais, o vilão Capricórnio surge das páginas de “Coração de Tinta” em busca dos poderes de Mo para realizar seus planos. Agora, com a ajuda do misterioso Dedo Empoeirado e de sua tia-avó Eleonor, Maggie e o pai entram em um intrigante mundo de magia para impedir o maligno Capricórnio e quem sabe finalmente encontrar sua mãe perdida.


O filme se passa em locais diferentes, pois Mo está atrás de um livro, o “Coração de Tinta”. Mo não lê em voz alta tem cerca de nove anos, na última vez ele pagou o preço de perder a sua esposa, e este livro é a chave para reencontrá-la. O que ele não sabe é que Caprícórnio tem planos para ele e para esse livro: ressuscitar um ser maligno para acabar com o mundo de Mo.
Maggie, filha de Mo, já está crescidinha (é uma adolescente) e começa a questionar o porquê do pai não falar tanto da esposa, não ler em voz alta e passar nove anos procurando um único livro. Além de viajarem de país em país, cidade em cidade e nunca deixá-la ter uma vida normal (e ai Mo o que anda escondendo em?).
E Dedo Empoeirado retorna, porque ele precisa de Mo para voltar a sua terra a qual ficou tanto tempo fora. Dedo Empoeirado acaba fazendo uma escolha ruim e indo para o lado de Capricórnio, na busca de conseguir retornar para o local de onde veio.
O filme conta com muitas histórias de fantasias, nós temos ai um momento para refletir sobre a questão do escritor, pois o próprio escritor do livro Coração de Tinta cita: “a questão de ser escritor é que o mundo que criamos costuma ser melhor do que aquele que vivemos.”. Temos também a busca inalcançável de Mo para achar sua esposa e proteger sua filha (que parece ter herdado o mesmo dom do pai). Temos a tia-avó Eleonor que prefere ficar enclausurada em casa com seus livros e como ela mesma diz: “Já visitei vários lugares sem nunca ter precisado sair de casa.”.
O filme realmente leva ao pé da letra a questão de que todo leitor é capaz de viajar apenas lendo.
E ai? Alguém já viu o filme? O que achou?

Nenhum comentário:

Postar um comentário