11 janeiro 2016

Kéfera Buchman: a vlogueira que alcançou mais de 5 milhões de inscritos


Tudo começou no ano de 2010, Kéfera usava aparelho e tinha 17 anos quando lançou o primeiro vídeo no seu canal: vuvuzelas. No vídeo ela reclama da vuvuzela do vizinho, mas não só a do visinho, a de todo mundo. A copa havia acabado e na opinião dela as vuvuzelas deveriam ter prazo de validade. “Eram cinco da manhã e ouvi o barulho de uma vuvuzela. Fiquei brava, morrendo de ódio e pensando: “Se não consigo ter ideia nenhuma no silêncio, imagina com esse imbecil assoprando essa vuvuz... IDEIA!!!”. Decidi então falar do meu ódio pela corneta e como as pessoas deveriam parar com aquilo.”. Esse vídeo tem exatos 5 minutos e foi através deste que ela achou o nome perfeito para lacrar o canal no meio da web. “O nome Cinco Minutos, a duração do vídeo, era muito óbvio. Claro que já haveria um canal com esse nome. E era verdade. Foi então que pensei na brincadeira de trocar o “c” da palavra cinco pelo número 5. E deu certo, ainda não tinham criado uma conta com o usuário 5inco Minutos.”



No ano de 2015 Kéfera atinge a marca de mais de 5 milhões de inscritos em seu canal, e no mesmo ano ela lança seu livro, “Muito Mais que 5inco Minutos”, e uma peça junto com Bruna Lousie, “Deixa eu te contar”.

Para se ter um canal hoje de sucesso e que atinja vários públicos é necessário ter criatividade. E Kéfera está dentro dessa base, era uma garota tímida que após assisti a um vídeo na web, logo quando vlogueiros começaram a bombar no youtube, sentiu vontade de fazer algo parecido. Ela já participava de aulas de teatro e achava que um vídeo assim poderia acabar com sua timidez. Ela teve uma ideia, teve ousadia e atitude para fazer. E o principal tinha um tema que chamava atenção. (Vamos combinar quem é que gosta de vuvuzelas? Eu mesmo detesto vuvuzelas – e jogos só para deixar bem claro.)

A Kéfera é divertida, extrovertida, inusitada, ousada, sincera, honesta, humilde, ela tem carisma. Ela transparece ser tudo o que ela é! Para os internautas que a julgam por ela ser um canal “bostinha” – só uma observação: o ser humano precisa melhorar o argumento de quando não gosta de uma coisa – deveriam ler o livro ou até mesmo assistir. Ela tem uma linguagem jovem, que consegue alcançar o público que ela escolheu. Eu não vejo o canal dela como para um público adulto, mas sim mais juvenil. É um público de 15 a 23 anos – mais ou menos falando. Ela tem uma ideia que atrai esse público.

A Kéfera é hoje uma “celebridade” do youtube formadora de opinião. É uma característica notória em seu livro. Trechos abaixo:

“Hoje acho que as pessoas se preocupam demais com o que os outros pensam e falam. Não estaríamos sendo menos maldosos e idiotas se saíssemos por aí, com trinta anos, vestindo uma fantasia de princesa no shopping? Não ligando para quem apontasse para nossa cara e risse”

“Se você vê alguém sendo diferente em público, estranha logo de cara e às vezes se sente constrangido pela atitude do outro. Talvez porque fomos ensinados desde crianças que precisamos ser quadrados o tempo todo”

“Ser original e deixar de ser quadrado é, por exemplo, aceitar que uma mulher pode sair de casa sem estar super bem vestida e maquiada, sem olhar feio para ela, sem apontar e chamar de relaxada. E não estou falando só sobre mulheres. Já passei pela situação de estar de moletom e sandália de dedo em um shopping e entrar em uma loja para provar uma roupa. Fui extremamente maltratada por não estar tão arrumada quanto às outras clientes.

Ela tem uma história que outros jovens viveram, passaram por aquilo e hoje ela pode ensinar alguma coisa. E ela é uma pessoa que não tem medo de falar, ela fala, ela xinga e para ela dane-se o resto do mundo. Ninguém tem nada a ver com isso. Ela mostra isso no seu vlog e na sua personalidade. Kéfera é Kéfera e dane-se o mudo.

“Muita gente já veio me agradecer por eu ter ajudado a superar problemas de comportamento e de autoestima com o meu jeito bobo e irreverente de ser. Isso mantém meu coração aquecido.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário